Avançar para o conteúdo

Quinta Sinfonia

Diários de estilo sustentável: Maio/21

Estas fotografias são ainda do confinamento deste ano. Troquei o meu uniforme de horta por este conjunto porque precisei de ir à escola da minha filha buscar um material que lhe faltava. Fui à cozinha despedir-me do Jordi e disse-lhe “sinto-me bem!”. Como podia não me sentir bem com o dia bonito que estava e como não me sentir bem com uma roupa tão simples, mas tão confortável?

Quem mais por aqui é fã de camisolas de riscas? Eu adoro!! Tenho 4 (2 de manga comprida e 2 de alças) mas podia perfeitamente ter 10 se não me controlasse um pouco! Uma camisola de riscas fica bem com tudo e o melhor é que nunca passa de moda.

Camisolas de risca é sinónimo de França e de aí vem a sua origem. No ano de 1858, em França, um decreto publicado no Boletim Oficial da Armada, estabeleceu como devia de ser o uniforme dos seus marinheiros: calças à boca de sino, camisa branca com gola azul, casaco curto de lã e camisola de riscas que permitisse reconhecer aos marinheiros caso tivessem o azar de cair borda fora. A camisola devia ter 21 riscas, uma por cada vitória de Napoleão. As riscas azuis deviam medir 1 cm e as brancas o dobro.

A minha camisola de riscas também é especial para mim. Comprei-a em Novembro de 2010 junto com uns leggings grossos para o inverno. Nessa semana, soube que estava grávida da Mariana e curiosamente essas duas peças converteram-se num dos meus uniformes de grávida! Os leggings não sobreviveram tanto (acabaram os seus dias na horta) mas a camisola está vivinha e faz parte dos meus básicos.

As calças de ganga são feitas por mim. Não estão perfeitas porque para mim fazer calças entra dentro do nível intermédio e eu ainda não passei de principiante. Mas não ficaram nada mal! Estão feitas a partir de umas calças de ganga tamanho XL que comprei de segunda mão super baratas para poder praticar. A minha ideia era fazer umas calças estilo marinheiro com botões em ambos os lados. Numa revista de moldes que tinha em casa encontrei o modelo. Tirei os moldes e li as poucas explicações que a revista dava. Não conseguia perceber nada! Eu sou um bocado teimosa e quando meto alguma coisa na cabeça não desisto até a conseguir. Posso dizer que passei várias noites a dar voltas às calças a tentar descobrir como fazer as aberturas laterais e colocar os botões até que chegou o momento em que me rendi à evidência de que não conseguia… E então em vez de uma paleta com botões, pus uns fechos. Ainda sonho com as calças marinheiras mas de momento contento-me com estas que a verdade é que são bastante confortáveis!

O casaco é de segunda mão (de uma amiga) e agora que me fixo bem, também está forrado com um forro às riscas!!

E para completar o conjunto, os meus adorados sapatos dourados que também são de segunda mão. Bem, o preço foi de segunda mão, mas a verdade é que os sapatos estavam sem estrear e por isso é que os comprei (sapatos é das poucas coisas que não gosto muito de comprar em segunda mão).

E por hoje é tudo! Para a próxima semana alteramos o dia da publicação do post semanal de 6ª para 5ª feira. Dia 20 de Maio, 5ª feira, celebra-se o dia mundial das abelhas, um animal que nos acompanha muito na quinta e do qual a humanidade depende. O post será dedicado a elas! Até 5ª!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *